terça-feira, 31 de março de 2015

A Caravana de Abril de 2015

PÁSCOA
Você já deve ter percebido, pelas prateleiras abarrotadas de ovos e coelhos de chocolate, que se aproximam os dias da Páscoa. Os meios de comunicação, em geral, não lhe deixariam esquecer tal data.
Se, no entanto, alguém lhe perguntasse o que é a Páscoa, você saberia responder? Qual a relação com ovos, coelhos e chocolates?
Tem-se notícias de que os israelitas, bem antes de Moisés, celebravam a Páscoa, sempre na primeira lua cheia da primavera, quando ofereciam à Divindade os primogênitos do seu rebanho.
A palavra em aramaico pashã, em hebraico pesah (pessach), significa a passagem. Segundos uns, do sol pela constelação do carneiro ou da lua pelo seu ponto mais alto. Nas línguas saxônicas o nome indica uma associação com o mês de abril, quando se comemorava a morte do inverno e a recuperação da vida, a chegada da primavera.
O sentido de passagem é relacionado no livro bíblico Êxodo. Foi na época da Páscoa que se deu a libertação do povo hebreu.
Cerca de quinze séculos antes de Cristo, depois de ter vivido cerca de quatro séculos no Egito, duramente tratado pelos faraós, conseguiu o povo de Israel abandonar para sempre a terra da escravidão. Naquela noite, os hebreus se serviram da carne assada de um cordeiro, pães ázimos, isto é, sem sal e fermento e alfaces amargas.
Em memória daquela noite, todo ano, pelo catorze de Nisan (o mês de abril), os chefes de família celebravam a Páscoa comemorando agora a libertação do cativeiro egípcio.
Os Evangelhos nos dão notícias da última ceia de Jesus com os Apóstolos justamente à época da Páscoa. A paixão, morte e ressurreição de Jesus coincidiram com essa festa.
Para os cristãos, a data deve lembrar a ressurreição do Cristo. Após a Sua morte na cruz, Ele se mostra vivo para os Apóstolos, discípulos e amigos.
Em corpo espiritual, Ele penetra em recintos fechados, aparece e desaparece, fala em tom breve. Seus discípulos sentem que já não é um homem. É, no entanto, o amigo que retorna para orientar, esclarecer.
Jesus voltou, indicando que a morte não existe, provando todas as Suas palavras, dando testemunho da Imortalidade. Paulo de Tarso, o Apóstolo dos Gentios, afirmava que se o Cristo não ressuscitara, vã seria nossa fé. O costume de oferecer ovos como presente, nessa época, remonta aos antigos egípcios. Entre  nós, o costume foi trazido por missionários que visitaram a China.
Só que antigamente, eram ovos mesmo, de pata ou de galinha, coloridos e enfeitados, depois transformados em ovos de chocolates.
Para alguns historiadores, o coelho, por ser o animal que mais se reproduz, traduz antigos ritos da fertilidade.
Assim, a Páscoa para o cristão deve lhe trazer à memória o ensino vivo da Imortalidade, atestado pelo próprio Cristo.
Recordar Jesus, pois, Seus ditos e Seus feitos: eis a verdadeira comemoração da Páscoa.
Importante que nos libertemos de ritualismos, de cultos exteriores, que nos retardam o progresso. Só então o Reino de Deus fará morada em todos os corações, realizando-se a reforma íntima de todos os homens.
*   *   *
Os ovos de chocolate foram introduzidos no Brasil entre os anos de 1913 e 1920, por imigrantes alemães.
Foi a partir do século XVIII que se passou a incorporar o ovo de chocolate na comemoração da Páscoa.
Redação do Momento Espírita.
Em 22.08.2011.
 OPORTUNIDADES DESPREZADAS
 Era a semana da Páscoa. Nunca mais haveria dias de tal significado.
O Pastor estava entre os homens e os homens não O identificaram.
Naquele primeiro dia dos quatro últimos de Sua jornada na Terra, Jesus estava no Templo de Jerusalém. Como muitas vezes anteriores, passara o dia a ensinar às gentes que O desejassem ouvir.
E como das vezes anteriores, sofreu os ataques dos sacerdotes, daqueles mesmos que eram os líderes religiosos de um povo ávido de justiça e consolo.
Então, no entardecer, quando o dia começava a morrer, deixando-se abraçar lentamente pela noite, o Mestre demonstrou Seu cansaço.
Não era o cansaço do povo, das gentes sofridas, das dores multiplicadas que Lhe chegavam, em ondas constantes.
Era o cansaço por verificar o desprezo à religiosidade justamente dos que deveriam ser os mais interessados na preservação do patrimônio religioso.
E eles desprezavam a mensagem de que era portador o Messias.
Num lamento, falou Jesus e o Evangelista Mateus anotou:
Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas aqueles que são enviados a ti.
Quantas vezes eu quis reunir os teus filhos do mesmo modo que a galinha recolhe debaixo das asas os seus pintinhos!
E tu não o quiseste. Eis que a tua casa ficará deserta.
Jesus se encontrava na capital religiosa do mundo de então, em plena semana da festa religiosa mais importante do ano.
Ele era o Rei, o Enviado, o  Pastor das almas e eles não se davam conta disso.
Todos se preparavam para a comemoração da Páscoa e não aproveitavam a presença celeste entre eles, o Mensageiro mais excelso que a Terra conheceu.
Era um momento especial e os homens o deixaram escorrer por entre os dedos.
*   *   *
Hoje, ainda, existem oportunidades desprezadas por muitas criaturas.
Deixamos de atender o convite do Pastor para correr em busca de valores efêmeros. Coisas que hoje são valorizadas e amanhã não mais farão parte do rol de itens importantes.
Somente os valores reais são imperecíveis, inalteráveis no tempo.
A serenidade com que Sócrates recebeu a pena de morte que lhe foi imposta é a mesma serenidade que desfrutam todos os que compreendem que a vida é uma passagem rápida por um mundo de formas e inconsistências.
A paz de espírito que movia Gandhi é a mesma hoje, para todos os que abraçam a proposta da não violência.
O amor ao próximo que motivou Albert Schweitzer a se embrenhar na África Equatorial Francesa para atender aos seus irmãos é o mesmo que moveu Madre Teresa de Calcutá, nas estradas da Índia e nas ruelas do mundo.
É tempo de pensar!
É tempo de reformular ações.
Tudo para que não venhamos a nos transformar em uma casa vazia, um lugar deserto.
Tudo para que nos voltemos para as coisas do Espírito, atemporais, imperecíveis.
O que equivale a dizer: sem apegos materiais. Conscientes de que os bens da Terra são para serem usados, para nos servirem, não para nos dominarem.
Conscientes de que as chances de crescimento devem ser aproveitadas, porque nunca se reprisarão da mesma forma, na mesma intensidade...
Pensemos nisso!
Redação do Momento Espírita. Em 23.02.2010.
08 DE ABRIL DE 2015: 61 ANOS DO CENMC
Neste ano nossa casa completa sessenta e um anos de divulgação da Doutrina Espírita e prática da caridade e do amor. São longos anos de trabalho sereno e anônimo, sem alardes nem ostentações, porque o que se busca é servir ao próximo dentro dos princípios do amor incondicional trazidos pelo nosso MESTRE JESUS.
Agradecemos ao Pai, rogando que abençoem os queridos Pedro e Nair, pelo legado que nos deixaram.
Direção do CENMC.
CONVITE MANHÃ COM JESUS
Convidamos todos para participarem do 37º Encontro “Manhã com Jesus”, cujo tema será “SUA PALAVRA NÃO PASSARÁ”, que será realizado no domingo, dia 12 de abril de 2015, às 8h30min.

EM NOSSA LUTA
"Segundo o poder que o Senhor me deu para edificação, e não para destruição." - Paulo. (II CORÍNTIOS, 13:10.)
Em nossa luta diária, tenhamos suficiente cuidado no uso dos poderes que nos foram emprestados pelo Senhor.
A ideia de destruição assalta-nos a mente em ocasiões incontáveis.
Associações de forças menos esclarecidas no bem e na verdade?
Somos tentados a movimentar processos de aniquilamento.
Companheiros menos desejáveis nos trabalhos de cada dia?
Intentamos abandoná-los de vez.
Cooperadores endurecidos?
Deixá-los ao desamparo.
Manifestações apaixonadas, em desacordo com os imperativos da prudência evangélica?
Nossos ímpetos iniciais resumem-se a propósitos de sufocação violenta.
Algo que nos contrarie as ideias e os programas pessoais?
Nossa intolerância cristalizada reclama destruição.
Entretanto, qual a finalidade dos poderes que repousam em nossas mãos, em nome do Divino Doador?
Responde-nos Paulo de Tarso, com muita propriedade, esclarecendo-nos que recebeu faculdades do Senhor para edificar e não para destruir.
Não estamos na obra do mundo para aniquilar o que é imperfeito, mas para completar o que se encontra inacabado.
Renovemos para o bem, transformemos para a luz.
O Supremo Pai não nos concede poderes para disseminarmos a morte. Nossa missão é de amor infatigável para a Vida Abundante.
Vinha de Luz, capítulo 32. Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel
AJUDE-NOS A AJUDAR, TORNANDO-SE ASSOCIADO DO CENMC

LIVRO DO MÊS

MENSAGEM DO PEQUENO MORTO
Francisco Cândido Xavier – Espírito Neio Lúcio
O autor espiritual apresenta carta enviada por uma criança desencarnada ao irmão encarnado, provando sua sobrevivência e atestando a indissolubilidade dos laços fraternais. Mostra como são orientados os Espíritos que desencarnam na infância, ressaltando a importância dos bons hábitos, da disciplina e da evangelização das crianças.

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES ASSISTENCIAIS
AMBULATÓRIO MÉDICO
Quartas-feiras, às 14h.
CAMPANHA DO QUILO
2º domingo do mês, às 9h.
DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS
1º domingo do mês, às 9h.
DISTRIBUIÇÃO DE ENXOVAIS PARA BEBÊS
Inscrição: segundas-feiras, às 15h (a partir do 7º mês)
Distribuição: última segunda-feira do mês, às 15h.
DISTRIBUIÇÃO DE LEITE-CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS
Segundas-feiras, às 14h.
DISTRIBUIÇÃO DE ROUPAS E CALÇADOS
Quartas-feiras, às 14h30min.
OFICINA DE INFORMÁTICA
Crianças da Evangelização: sábados, das 9h15min às 10h30min.
Centro de Evangelização Escola Teresa de Jesus: quartas, das 9h às 11h.
OFICINA DE PINTURA, PONTO DE CRUZ E CROCHÊ
Segundas, às 14h.
SALA DE COSTURA / BAZAR
Segundas-feiras, às 14h.
SOPA DAS QUARTAS-FEIRAS
Quartas-feiras, às 14 h.
SOPA DA POPULAÇÃO EM RUA
3º sábado do mês.

CAMPANHAS EM ANDAMENTO

Leite em pó integral, óleo vegetal, sal, espaguete, farinha de mesa e fubá; cobertores de adultos; conjuntinhos de camisinhas de pagão de malha, fraldas de tecido, calças enxutas, chupetas, mamadeiras, tecidos para lençóis e toalhas de banho para recém-nascidos (cores neutras, para ambos os sexos), mamadeiras, sabonetes infantis e alfinetes para fraldas.
Agradecemos pela grande colaboração!

REUNIÕES PÚBLICAS
PROGRAMAÇÃO DE ABRIL DE 2015
DOMINGOS, ÀS 9H
DIA
TEMA
05
CENMC: NOSSO PEDACINHO DO CÉU
12
CENTRO ESPÍRITA: ESCOLA DA ALMA
19

TODOS SOMOS MÉDIUNS

26
MEDIUNIDADE GRATUITA
SEGUNDAS-FEIRAS, ÀS 20H
DIA
TEMA
06
CENMC: NOSSO PEDACINHO DO CÉU
13
CENTRO ESPÍRITA: ESCOLA DA ALMA
20

TODOS SOMOS MÉDIUNS

27
MEDIUNIDADE GRATUITA
QUINTAS-FEIRAS, ÀS 14H30MIN
DIA
TEMA
02
CENMC: NOSSO PEDACINHO DO CÉU
09
CENTRO ESPÍRITA: ESCOLA DA ALMA
16

TODOS SOMOS MÉDIUNS

23
MEDIUNIDADE GRATUITA
30
O QUE BUSCAMOS NA CASA ESPÍRITA?
SEXTAS-FEIRAS, ÀS 20H
DIA
TEMA
03
CENMC: NOSSO PEDACINHO DO CÉU
10
CENTRO ESPÍRITA: ESCOLA DA ALMA
17

TODOS SOMOS MÉDIUNS

24
MEDIUNIDADE GRATUITA
SÁBADOS, ÀS 15H
DIA
TEMA
04
CENMC: NOSSO PEDACINHO DO CÉU
11
CENTRO ESPÍRITA: ESCOLA DA ALMA
18

MEDIUNIDADE GRATUITA

25
TODOS SOMOS MÉDIUNS
  
CENTRO ESPÍRITA NAIR MONTEZ DE CASTRO
Presidente: Teresinha C. Maranhão
Vice-Presidente: Terezinha Vianna
Rua Vilela Tavares 173 - Lins de Vasconcelos
Rio de Janeiro/RJ - CEP: 20.725-220
CNPJ: 73.956.559/0001-63 - Telefone: 2595-5462
Inscrição Estadual: 346.856.00
Inscrição Municipal: 02432170

COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS DOUTRINÁRIOS
ATENDIMENTO FRATERNO
§ Segundas, das 19h45min às 20h20min.
§ Terças, das 16h45min às 17h20min.
§ Quintas, das 14h40min às 15h20min e 19h.
§ Sextas, das 17h às 18h30min.
§ Domingo, das 8h30min às 9h.
CENTRO DE EVANGELIZAÇÃO “ESCOLA TERESA DE JESUS”
Segundas, quartas e sextas, das 8h às 11h.
ESDE - Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (Introdutório):
§  Sextas, das 20h às 21h30min.
§  Sábados, das 16h45min às 18h15min.
ESDE - O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO”:
§  Domingos, das 8h às 9h30min.
§  Sextas, das 20h às 21h30min.
§  Sábados, das 16h45min às 18h15min.
ESTUDO DO LIVRO DOS MÉDIUNS
Sábados, das 16h45min às 18h15min.
ESTUDO DO EVANGELHO
(Trabalhadores do CENMC)
Segundas-feiras, às 16h.
ESTUDO DO LIVRO OS MENSAGEIROS”:
§  Segundas, das 19h40min às 21h10min.
§  Quintas, das 16h30min às 18h.
CURSO DE ESPERANTO VI
(Sexto módulo)
Quintas-feiras, das 10h às 11h30min.
EVANGELIZAÇÃO
Sábados, das 9h15min às 10h30min e 15h às 16h.
JUVENTUDE I E II
Sábados, das 15h às 16h.
REUNIÃO DE DISCIPLINA MEDIÚNICA
Segundas, às 18h45min; terças, às 18h; quartas, às 16h15min e às 20h; sábados, às 14h30min.
REUNIÕES PÚBLICAS
Segundas e sextas, às 20h; quintas, às 14h30min; sábados, às 15h; domingos, às 9h.
REUNIÕES DE TRATAMENTO
Terças, às 18h; quintas, às 19h30min; sextas, às 18h (para depressivos).